• Saviitri Ananda

A CHAKANA


A palavra Chakana, de origem quéchua claramente se refere ao conceito de "escada", o símbolo em si é um "tawa Chakana", ou seja, quatro lados em linha reta. Este símbolo de "quatro passos” tornou-se popular nos países andinos sob o nome simplificado "Chakana". A etimologia da palavra Chakana nasceu da união do quéchua: chaka (ponte, de ligação) e Hanã (alto, alto, grande); a Chakana como um símbolo representa um meio de união entre o mundo humano e Hanan Pacha (o que se passa num plano superior).


A tradição do quéchua, aimará e puquina, ainda cultuam a Chakana. A Chakana (quechua: Chakana tawa, "quatro passos"), (Aymara: chakani PUSI "quatro pontes"), conhecida como a Cruz Andina ou Cruz Quadrada é um símbolo originário de antigos povos indígenas dos Andes onde se desenvolveram a cultura Inca e algumas culturas pré-Incas. Estudos arqueológicos mostram que a Chakana tem uma idade superior a 5.000 anos; todavia, atualmente, apenas a cultura aimará mantém o uso da Chakana, inclusive estampando-a em seus tecidos.



A Cruz Andina é um símbolo recorrente em culturas indígenas dos Andes e, posteriormente, nos territórios do Império Inca do Tawantinsuyu. A sua forma é a de uma secção quadrada e escalonada, com 12 pontos. O símbolo em si é uma referência ao Sol e ao Cruzeiro do Sul; sua forma sugere uma pirâmide com escadas em todos os quatro lados, tendo um centro circular. Mas seu maior significado é de apontar a ligação entre o baixo e alto, a terra e o sol, o homem e o Divino e por isso não pode ser vista apenas como um simples desenho arquitetônico ou geométrico. A Cruz Andina tem uma forma geométrica resultante de observação astronômica e registros deixados fazem referência a frase: "trouxe o céu para a terra", representado por este símbolo que encerra componentes que explicam a visão do Universo, representando o masculino e feminino, o céu e a terra, acima e abaixo , energia e matéria, tempo e espaço.


A Chakana tem geometria sagrada e envolve o conceito do número real Pi 27 e a escolha desse número, baseada em observações astronômicas também foi utilizada como base para projetos arquitetônicos e estradas. O Ñan Qhapaq, Trilha Inca ou Caminho do Senhor, a espinha dorsal do sistema viário do Império Inca é consistente com a geometria do Chakana que também indica as quatro estações e os tempos de plantio e colheita. Por esse motivo, alguns povos andinos, realizam em 03 de maio a Festa da Chakana, porque neste dia, o Cruzeiro do Sul assume a forma de uma cruz e é sinal de tempo perfeito para a colheita ( o Cruzeiro do Sul foi adorado pelos antigos habitantes do Peru e até hoje permanece a tradição de marcação proteger área cultivada com culturas diversas). A cosmovisão andina, a imagem que a cultura tem do mundo e das pessoas está muito ligada a cosmografia, que é a descrição do cosmos e neste caso para o céu do hemisfério sul; o eixo visual e simbólico é marcado pela constelação do Cruzeiro do Sul, chamado Chakana.



No universo andino existem mundos simultâneos, paralelos e interligados, que reconhecem a vida e a comunicação entre as entidades naturais e espirituais. A visão é baseada em cosmologia, que é a fase da explicação mitológica do mundo, e estão organizados como a base da sintaxe do pensamento. Diversas culturas da antiguidade como a egípcia, Inca, etc., alcançaram uma visão integrada do ambiente que foi usada para o benefício de seu próprio povo e a arqueologia astrológica é um meio importante para entender a visão de mundo dos povos antigos.


Para compreender-se a concepção andina dentro do plano arquitetônico foi necessário fazer um breve resumo sobre o espaço ou "kancha" usando palavras quéchuas e explicando a sua tradução. O espaço andino é percebido em três planos que são vertical, horizontal e virtual, este espaço tem uma "kancha" ou lugar comum conhecido como o "kay paccha c" ou núcleo, este espaço é como um computador, é o centro da vida da horizontal, vertical e aureolar e, portanto, tem um valor de energia para influenciar o pensamento das Runas (pessoas do mundo andino).


As kanchas ou espaços na chakana compõe o plano horizontal (este plano horizontal mostra como os campos de energia estão situados em relação ao ciclo solar, ou seja, os solstícios e os equinócios). Os sikis ou plano vertical (os sikis ou bases que regem a escala de poder na sociedade pré-colombiana - começando com um ser superior, o governo e as pessoas; esta hierarquia é semelhante ao de outras culturas e ainda hoje, em muitos deles, ainda é válida). A paccha ou aureus plana (virtual- é o espaço do tempo paralelo - este plano é a soma do núcleo ou "kay paccha", é o espaço de vida, esta é a essência de tudo o que é construído na cultura andina).


A Chakana é a representação de um conceito com vários níveis de complexidade de acordo com a sua utilização. É o nome da constelação do Cruzeiro do Sul, resume a cosmo visão andina e é um conceito ligado a estações astronômicas. É considerada a ponte ou a escada que permitiu que os povos andinos mantivessem seus cosmos latentes de ligação, um anagrama de símbolos, definindo em si a filosofia de vida, a ciência, a cultura andina. Para essa cultura haveria dois espaços sagrados que se opõem uns aos outros: primeiro vertical, dividido ao meio (macho e metade fêmea), segundo horizontal, dividido em seres celestiais e seres terrestres e subterrâneos.


A Chakana tem a forma de um X, as diagonais que ligam os quatro cantos da "casa", isto é, o Universo. A linha vertical expressa correspondência oposição relacional entre o grande e o pequeno (o espaço acima da linha horizontal é o mundo superior e o espaço abaixo da linha horizontal é este mundo), sendo que os canais de comunicação entre os dois mundos, são as nascentes, lagos, montanhas. . Resumindo, ela é símbolo do relacionamento de tudo ( teto/chão, sol/fogo, dia/noite, homem/mulher), que indicam o caminho a seguir para descobrir que não a construção só tem razões utilitárias; não é apenas uma casa para ficar e proteger contra as intempéries e os ocupantes não são apenas aqueles que diretamente construída: todos são importantes uns para os outros.


A Chakana pode ser facilmente encontrada em diversos lugares do Peru, desde objetos de decoração até em portas das casas e igrejas. Na mitologia incaica ela simboliza a árvore da vida, como existe em outras culturas. O quadrado que se forma na figura da cruz representa os níveis de existência, a saber: Hana Pacha (o mundo superior, habitado por deuses superiores), Kay Pacha, (o mundo de nossa existência) e Ucu ou Urin Pacha (o mundo inferior habitado por espíritos, ancestrais e várias deidades que tem contato próximo com a Terra. O círculo (buraco) que tem no centro da cruz é o Axis que significa que o xamã transita pelo cósmico para outros níveis. Também representa a cidade de Cusco, o centro do Império Inca, e a constelação Cruzeiro do Sul.




Bjos no Coração

Abraço na Alma

Namastê!

Saviitri Ananda - CRTH/BR0230

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo