• Saviitri Ananda

CALATONIA


A calatonia é uma técnica de trabalho corporal aplicada em sua maior parte nos pés dos pacientes. Os toques são sutis, como se estivesse tocando em uma bolha de sabão. A sequência é realizada nos dedos dos pés, calcanhar, tornozelo e panturrilha, finalizando com um toque na cabeça. Criada pelo médico húngaro radicado no Brasil Pethö Sándor, a calatonia é uma técnica que promove o relaxamento e pode ajudar a diminuir a tensão muscular e aliviar o estresse. Além disso também favorece o acesso a conteúdos inconscientes.


A realização das potencialidades inatas de um indivíduo por meio de um equilíbrio entre consciente e inconsciente, é uma possibilidade da qual todos os seres humanos são dotados, e a individuação geralmente ocorre na segunda metade da vida. Muito embora esse reencontro com o si-mesmo seja um processo natural, existem métodos psicoterápicos que o facilitam, na medida em que podem possibilitar que o indivíduo tenha um maior conhecimento de si, e portanto, viva o processo de forma consciente e não de modo meramente instintivo.


Esta técnica de relaxamento corporal, foi desenvolvida por Sándor, quando ele trabalhava em um hospital, na Alemanha, cuidando de refugiados pela Cruz Vermelha, pós-guerra. A estrutura do local e os recursos eram extremamente limitados, por isso Sándor buscou maneiras alternativas para ajudar na saúde dos pacientes. Com o passar do tempo, percebeu que a sensibilidade tátil trazia alívio imediato e em alguns casos até relaxamento profundo para os feridos.


Foi assim que ficou conhecido na Alemanha como o “Dr. que tira a dor com as mãos”. Neste período de peregrinação de fuga dos efeitos da guerra, Sándor perdeu os pais e decidiu se mudar para o Brasil, instalando-se em São Paulo, no ano de 1949. Terapeuta e professor, ele iniciou diversos cursos em universidades para profissionais da psicologia, repassando seus conhecimentos da Calatonia, que passou a ser conhecida pelos alunos como “método de relaxamento”. Sendo utilizado até hoje em atendimentos psicoterapêuticos.


A técnica consiste em toques suaves por pontos específicos do corpo do paciente, a Calatonia proporciona um relaxamento do tônus muscular. Atua potencialmente em vários níveis da complexa estrutura psicofísica do indivíduo, trazendo à tona a evocação de vivências que deverão ser elaboradas depois, em psicoterapia verbal. Desse modo, a Calatonia deve ser entendida como uma técnica de relaxamento facilitadora da individuação.


Na Calatonia, o simples toque das mãos é capaz de atuar de forma terapêutica. Sándor trouxe esta técnica para o Brasil na década de 50, mas ela foi desenvolvida durante a Segunda Guerra em soldados que sentiam fortes dores por causa dos ferimentos. O segredo da terapia é o uso de toques sutis que estimulam nove pontos onde há maior concentração de receptores nervosos ou circulatórios. São pontos próximos aos nadis da medicina ayurvédica. .Os pontos se concentram na região dos pés, em cada um dos dedos, em pontos da sola dos pés, calcanhares, tornozelos além de mais um toque no início da barriga das pernas.


Existe um toque que é aplicado na nuca. Os toques se concentram nos dedos dos pés, porque muitas pessoas têm resistência ao toque, o que não acontece com os pés. Quando nos estressamos, ocorre uma série de eventos bioquímicos e biológicos que alteram o nosso organismo e a Calatonia pode reorganizar o corpo por meio de toques simples, que possuem alto potencial de sensibilidade cutânea. Dentro da Kinterapia ou qualquer outra medicina natural, a calatonia pode ser usada em muitos casos, principalmente nas crises de ansiedade, estresse, pânico, depressão e problemas emocionais; também é eficiente como apoio em tratamentos convencionais hipertensão, artrite, artrose, asma, dentre outros. Em média a aplicação em cada ponto é feita por três minutos, usando óleos essenciais.


A Calatonia a princípio não possui contraindicação, mas deve ser indicada por um profissional especializado. A técnica tem sido utilizada como método auxiliar na psicologia, medicina, educação, reabilitação física e etc. É eficaz em situações de tensão muscular, enxaquecas, estresse, asma, alergias, distúrbios psicossomáticos, distúrbios glandulares e obesidade.


Na prática da Kinterapia, a calatonia é uma das técnicas muito importantes, junto com a ayurveda, o munay ki e a prática do Tempo Natural vão formar os pilares para sustentar o nosso Ser e Estar.

Bjos no Coração

Namastê

Saviitri Ananda - CRTH0230



0 comentário

Posts recentes

Ver tudo