• Saviitri Ananda

CRENÇAS & CASTIGOS


Na definição mais simples “crenças são opiniões adotadas com fé e convicção; processo mental de quem acredita em pessoa ou coisa; convicção profunda sobre algo; ação de acreditar, fé”. Podemos dizer que são os nossos pais e depois as escolas e sociedade que nos influenciam na formação do nosso sistema de crenças. Afinal, é na primeira infância que coletamos informações e experiências, através daquilo que percebemos e aprendemos, principalmente, com os nossos pais e que vão formando nosso sistema mental de crenças. Com o passar dos anos, acontecimentos podem ocorrer e modificar algumas dessas crenças, mas a maior parte das que são criadas, permanecem com a mesma emoção e significado de quando foram adquiridas.


Quanto mais forte são nossas crenças, mais facilmente serão projetadas na dimensionalidade e certamente se manifestarão. Se acreditarmos que não somos muito inteligentes, nosso cérebro assumirá essa crença e nós seremos limitados; se acreditarmos que somos pobres e que sempre teremos que lutar para sobreviver, nossa própria crença criará essa experiência. Não podemos escapar das nossas crenças porque elas são o método através do qual criamos a nossa experiência quer sejam sentimentos, pensamentos e emoções. Nossas crenças podem ser nosso "castigo".


Eisntein nos provou que alterando a frequência do nosso pensamento, podemos alterar o estado da matéria e nós seremos perfeitos se assim acreditarmos. A Pandemia e a então necessidade de reclusão, nos colocou imersos numa fase de reavaliação, principalmente em relação ao que "acreditamos". Mergulhamos num processo de reconfiguração que, salvo raras exceções, tem sido “dolorido”, mas que vem trazendo resultados muito interessantes dentro desse aprendizado que é a nossa vida. Precisamos praticar muita meditação, buscar autoconhecimento e conscientização do Aqui e Agora e da impermanência das coisas, afinal a ansiedade, o estresse, os tumores, as viroses, os medos, as manias, a tensão, a depressão ... tudo manias ... tudo manifestação de crenças, porque sempre fomos seres perfeitos e "somos o que pensamos".

Estou passando por processos muito complicados por causa das minhas crenças e hoje senti necessidade de dar este depoimento para vocês. A maioria das pessoas que me conhecem, veem em mim, uma fortaleza inexpugnável de otimismo constante ...rs. E isso é apenas uma crença, porque sou uma mulher normal, repleta de questões a resolver como qualquer ser humano em evolução. É uma esforço diário, para melhorar a cada dia, porque, por mais estudos, leituras, experiências, relacionamentos que tenha tido (afinal são bem mais de meio século por aqui...rs), isso não me deu "now how" suficiente para dar conta das minhas crenças.


As crenças podem ser formadas de dois modos:

1) Repetição de experiências onde percebemos/recebemos a mesma carga e significado emocional

2) Acontecimento que demanda forte peso emocional e que afeta diretamente no modo como interpretamos a realidade (fobias e traumas são formados dessa forma). As nossas crenças são baseadas no modo como interpretamos a nossa realidade. Ou seja, o significado que damos a determinados pensamentos ou experiências e o modo como interpretamos tais fatos que nos ocorrem.

Por crescermos em famílias, culturas e contextos diferentes, cada pessoa desenvolve o seu sistema de crença. Por este motivo, é bem provável que diante de uma situação eu vá agir diferente do modo como você irá agir, diferente do modo como uma terceira pessoa iria agir.

https://sobrare.com.br/o-que-sao-crencas-limitantes/


Crenças ancestrais, crenças frisadas pelo cultural e social do Agora. E um detalhe que para muitos pode parecer insignificante (uma crença minha, muito forte): Capricornianos são experts em ficar o tempo mais que possam no "cercadinho de Saturno", na segurança do "conhecido e aceitável". A “Senhora Segurança” aqui, sente no corpo, na pele o que nossas crenças podem fazer por nós e assim, insisto: a nossa experiência de vida, pode mudar as nossas crenças e, no momento que quisermos, estaremos no controle e poderemos escolher no que acreditar. A chave está em nosso “Eu Interior”, em formar crenças através de escolhas conscientes.

Crenças são muito importantes e podem ser tanto positivas, quanto negativas. Dependemos de nossas crenças para criar nosso “modus vivendis”. Podemos criar um sistema de crenças que nos ajude a prosperar, termos atitudes otimistas, que nos impulsionem para encontrarmos soluções e construirmos caminhos de sucesso. Do lado oposto, temos as crenças negativas, que nos limitam em certas situações.



Mesmo no momento em que estamos tranquilos, com as coisas em ordem, nossas crenças ditam nosso comportamento e nosso ego quer exercer controle, insiste em querer administrar o fluir da vida. O que podemos fazer? Meditar muito (uma crença), nos dedicarmos ao autoconhecimento (outra)e assim, construirmos crenças favoráveis ao nosso desenvolvimento e para uma vida feliz (crença).


Posso dizer ( de cátedra e tudo), que muitas dúvidas surgem, que em muitos momentos enfraquecemos, ficamos tristes e até adoecemos, mas que isso acontece porque acreditamos e projetamos como realidade... e assim como criamos, podemos transmutar em certezas, força, alegria, saúde...bem estar, bem Ser. Afinal... Somos Filhos do Universo (crença) e estamos Aqui e Agora para aprender, reciclar, melhorar o nosso Ser. E essa é uma crença muito forte em minha vida e quem sabe eu possa ajudar, com esse depoimento, que ela seja na sua também.

Bjos no Coração

Namastê

Saviitri Ananda - CRTH/BR0230



0 comentário

Posts recentes

Ver tudo