• Saviitri Ananda

MÃOS & CURA



Cada vez mais a ciência tem admitido a ação curativa do toque terapêutico ou imposição das mãos e esse fato faz com que entendamos melhor o mecanismo apropriado da cura espiritual. Desde muito tempo lemos depoimentos que falam do poder curativo pela imposição de mãos usada por xamãs e curandeiros. Todavia para que entendamos o esse processo curativo é imprescindível que compreendamos o ser humano com suas características multidimensionais. Podemos afirmar que nosso corpo total é dividido em sete partes: em primeiro e mais importante plano, teríamos a energia espiritual superior; depois o corpo causal, o corpo mental, o corpo astral, o corpo etérico, os meridianos energéticos ativos, e em ultimo plano, o corpo físico.

A medicina que conhecemos baseia-se apenas naquilo que acontece com o corpo físico e o médico receita a seu paciente um medicamento para a cura biológica e não considera as outras dimensões do nosso Ser; assim, nem sempre o mal é curado. Existem também as curas magnéticas, impostas por massagens, aplicações de terapias e métodos alternativos de curar, que também tem suas eficácias relativas, pois atingem somente o corpo onde estão os meridianos ativos, não passando deste ponto. A cura espiritual vai do corpo físico até o corpo causal e para atingir estes níveis é necessário que se observe as leis que regem o Universo, desde sua determinação até a sua plena expansão nos mais diversos corpos existentes no plano visível e invisível. A cura multidimensional observa o que se passa não apenas em nosso corpo físico ou nossa mente, mas também em nossos corações, nossas emoções, nossa personalidade até em nossas próprias existências, passadas e presente, como também em nossa fé e especialmente na maneira que concebemos Deus.

Doença e saúde são conceitos singulares, pois se referem ao estado das pessoas. O corpo nunca esta só doente ou só saudável, visto que nele se expressam realmente as informações da consciência. Nosso corpo nada faz por si mesmo e nosso corpo deve seu funcionamento exatamente àquelas duas instâncias imateriais a que denominamos consciência (alma) e vida (espírito). A consciência apresenta as informações que se manifestam no corpo e que se tornam visíveis. Tudo que acontece no corpo de um ser vivo é a expressão do padrão correspondente na sua consciência: o pulsar do coração, a temperatura do corpo, as glândulas e os anticorpos são ritmados, mantidos, segregados e formados pelo padrão correspondente de informação. Quando as varias funções corporais se desenvolvem em conjunto segundo uma determinada maneira, aparece um modelo que sentimos como harmonioso e que, por isso, recebe o nome de saúde. Se uma função falha. Ela compromete a harmonia do todo e então falamos de doença.


A doença é a perda relativa da harmonia, ou o questionamento de uma ordem até então equilibrada. O corpo nada mais é do que a apresentação ou o âmbito de concretização da consciência e, consequentemente, também de todos os processos e modificações que nela ocorrem. Assim, podemos afirmar, categoricamente, que é o ser humano que esta doente e não o seu corpo. Considerando que este ser humano doente, simplesmente esta se mostrando doente através dos sintomas que são os sinais visíveis e palpáveis no seu corpo físico, porem, fruto do desequilíbrio da consciência. Assim que um sintoma se manifesta no corpo, chama nossa atenção e interrompe muitas vezes a continuidade do caminho de vida até então vigente; o sintoma é uma necessidade da própria consciência, que o usa para chamar atenção sobre uma perturbação que esta acontecendo em seu interior, motivado por um elemento irritante, que necessita ser localizado, resolvido e consequentemente eliminado, para que a consciência continue tendo sua trajetória plena de crescimento através das experiências vividas e bem desenvolvidas.

A cura acontece através da incorporação daquilo que esta faltando e, portanto, ela não é possível sem uma expansão da consciência. Doença e cura são conceitos gêmeos que somente têm importância para a consciência e não se aplicam ao corpo, pois um corpo nunca pode estar doente ou saudável. Tudo o que o corpo pode fazer é refletir os estados correspondentes e as condições da própria consciência. A doença é o caminho pelo qual o ser humano pode seguir rumo à cura; por isso quanto maior a consciência com que enfrentamos o caminho, tanto melhor se cumprirão seus objetivos. Não precisamos combater a doença e, sim, usá-la como propulsora de crescimento e compreensão da nossa caminhada evolutiva na Mãe Terra; quanto maior for nossa compreensão, nossa expansão de consciência, melhor será o nosso aproveitamento de todas as coisas que nos cercam.


Para que possamos analisar melhor nossos rumos, nossa inteligência reparte a realidade em pedaços, cada vez menores, e força-nos a escolher entre eles o que nos convém ou prejudica; quanto maior a nossa ignorância ou desconhecimento da grande realidade, mais a inteligência fraciona os acontecimentos, tentando nos pequenos fragmentos, uma maior possibilidade de analise, de julgamento e de lógica e distancia-nos cada vez mais da unidade de percepção, por falta de elementos para o julgamento final do que nos convém. Assim temos que dizer sim a um e, ao mesmo tempo, não a outro dos elementos que compõem a polaridade, pois os opostos se excluem como todos sabem, no entanto, a cada não, a cada exclusão reforçamos nossa não-totalidade pois, para obtermos a totalidade, nada poderia faltar. A unidade das polaridades significa a unidade plena, que se traduz em razão máxima do nosso ser.


Com consciência plena é possível administrar todas as tempestades internas e externas da nossa vida, pois passamos a ter controle sobre tudo. Todos os caminhos de cura ou superação nada mais são do que um único caminho que leva da polaridade à unidade. Mestre Sananda esteve entre nós para ensinar-nos a viver e a despertar nossa consciência cósmica porque é por esta característica de ampliação da consciência que conseguimos evoluir naturalmente equilibrados e, consequentemente, saudáveis.


Ampliar a consciência significa diminuir nossas dúvidas, desconhecimentos, medos; quando ampliamos a consciência, conhecemos a nós mesmos e ao mundo de forma plena e total. Se queremos bons resultados, precisamos colocar o corpo e a mente em sintonia e a trabalharem em conjunto, porque o equilíbrio e a harmonia entre corpo e mente são imprescindíveis quando se pretende obter resultados. E equilíbrio e harmonia precisam existir para que tenhamos saúde; o corpo depende em grande parte da mente e esta por sua vez também reage ao estado do corpo e é a interdependência harmônica entre estas duas partes que nos dá o bem estar. Quando existem problemas de saúde há que saber determinar qual ou quais as suas causas por forma a que se consiga determinar qual a área que precisa ser trabalhada.

Bjos no Coração Abraço na Alma Namastê! Saviitri Ananda - CRTH/BR0230


Para ilustrar a questão de Cura Multidimensional, acrescento um artigo sobre como os Atlantes trabalhavam essa questão:

O templo de cura atlante era um edifício circular. A única luz que penetrava o templo vinha através de um amplo domo no teto. Este domo era ajustável de modo que a luz do Sol pura ou filtrada, podia penetrar através do teto sempre que fosse requerida. O domo também podia ser fechado de maneira que nenhuma luz do Sol entrasse no templo. A entrada do templo era retangular. Ele era construído de pedra branca brilhante; essa pedra parecia preenchida por mica e por cor, e a pesada barra de pedra que fazia girar a porta tinha esculpida um cisne branco com sua nobre cabeça levantada e se movendo graciosamente para fora.

Havia grupos de pilares compostos de pedras preciosas brancas, que podiam ser curvadas, mas não podiam ser quebradas. Elas eram moldadas para formar um círculo perfeito em pé e os degraus eram retangulares, na mesma pedra branca brilhante que o edifício. Não havia portões ou paredes para guardar seus jardins. Os jardins eram repletos de flores; grandes leitos de malmequeres em sua estação, tulipas, girassóis e muitas das pequenas e docemente perfumadas rosas. Todas davam sua gloria para a cura das pessoas. Logo perto da entrada havia um grande cristal marcador do tempo. Este poderoso cristal protegia o Templo contra quaisquer vibrações prejudiciais e negatividades. Ele não permitia que nenhuma pessoa entrasse no templo, a menos que aquela pessoa tivesse uma razão genuína e pura para faze-lo. O cristal sabia tudo, nada podia ser escondido.

Dentro da entrada havia um grande corredor, tanto para a esquerda como para a direita. Ao redor do círculo central havia duas amplas passagens que levavam aos três templos espirais, que se encontravam no final do edifício central. Estes templos também eram circulares. Não havia uma entrada a partir do templo principal, mas as entradas eram através de portas com cortinas pesadas, abrindo-se para essas passagens, que se estreitavam à esquerda e à direita do templo principal.

O templo central circular era um pequeno templo especial, onde os curadores estudavam e eram treinados, e à direita do templo estava o templo do Ensinamento; à esquerda estava o Templo da Pesquisa – não pesquisa no sentido em que é usado atualmente, associada a coisas materiais, mas pesquisa em tudo que se refere à cura do corpo e da alma.

Todos os ensinamentos eram passados no Templo do Ensinamento. Todo o treinamento dos curadores, onde eles eram usados como instrumentos e não se requeria que usassem sua mente ou cérebro, era feito no terceiro Templo.

Os estudantes que vinham ao Templo de Cura eram obrigados a se especializar em uma destas artes e eram alocados e colocados no Templo do Ensinamento ou no Templo de Cura ou no Templo da Pesquisa. Não era permitido que eles seguissem os três cursos de uma vez; eles tinham que provar sua capacidade em sua primeira escolha antes que fosse permitido que eles fizessem um segundo curso em um dos templos. O Templo Central de Cura estava construído sobre um lago e hoje em dia vocês encontrarão sua contrapartida muito freqüentemente nas piscinas que podem ser cobertas por um piso de madeira, mas neste caso o piso era de ametista, cálido ao toque dos pés descalços e radiante com luz e poder. Na entrada do templo central estavam os quartos de vestir para os sacerdotes curadores, os estudantes e os noviços; todos construídos em pedra branca reluzente e, embora muito austeros, muito bonitos em harmonia de cor e desenho.


Entre os quartos de vestir, que eram semelhantes aos cubículos encontrados nos Banhos para Natação, havia uma passagem onde haviam outros cubículos que eram usados para a limpeza e purificação dos corpos dos clientes. A cura no tempo da Atlântida, não ocorria em poucos minutos como atualmente; um cliente era solicitado a visitar o Templo muitas vezes para a purificação de seu corpo físico. Seu cabelo era cortado até a nuca durante seu período de cura e, após banhos em água de fonte, eles passavam em banhos de água morna perfumada, antes de receberem uma vestimenta branca de linho, com a qual eles deveriam se apresentar diante de seu curador.

Na primeira das pequenas câmaras de cura, o paciente tinha que passar pela purificação do corpo etérico e ali, os curadores, com seus poderes de clarividência e intuição, fortificados pelo seu serviço no templo, procurariam por quaisquer locais escuros, ou falta de luz nos chakras ou no corpo etérico como um todo. O paciente só poderia seguir adiante para a próxima câmara de cura quando o sacerdote curador encarregado deste quarto particular pudesse relatar que o corpo etérico estava completamente limpo e cheio de luz. No próximo cubículo, a maioria dos clientes ficavam muito mais tempo que no primeiro, pois aqui o cansaço da mente deveria ser liberado e enquanto a mente relaxava e o corpo, em harmonia, relaxado, o cliente falava a seu mestre, contando-lhe das ansiedades que o perturbavam e da fadiga da alma que o oprimia.

Isto é análogo ao que atualmente chamamos de psicanálise e pode mesmo ser um longo processo. Portanto o trabalho feito neste quarto mental era de uma natureza verdadeiramente especializada. Somente os mais elevados - e mais experientes - sacerdotes tratavam destes clientes, e muitas horas do dia eram dadas para o completo relaxamento e uma conversa agradável e a ingestão de frutas para a limpeza do corpo físico. Em particular, os clientes tomavam sucos de frutas cítricas e água mineral, que tinham um papel importante no total do processo de cura.

Quando o paciente já tinha passado por todos os testes necessários, ele ia para o segundo templo, para a cura do corpo físico, mas não antes que o lado negativo de sua personalidade – ódio, ciúme, inveja, egoísmo – tivesse sido completamente ultrapassado; pois enquanto qualquer desses sentimentos se agita na mente, o corpo não pode ser considerado total e limpo. No grande templo central haviam três sessões diárias de cura. Em uma galeria que ficava ao redor do templo, abaixo do nível das janelas, ficavam homens e mulheres estudantes, aos quais eram ensinados cantos e música maravilhosos e nesta galeria eles cantavam cantos rítmicos e canções espirituais enquanto as sessões de cura estavam ocorrendo no templo abaixo.

Doze curadores sob a tutoria de um sacerdote trabalhavam em doze clientes ao mesmo tempo. Os leitos, sobre os quais os pacientes se deitavam, eram feitos de mármore branco, construídos como caixas retangulares; o topo também era feito da mesma pedra que não podia ser quebrada ou cortada, e cada leito era composto de pedra de uma cor, representando um raio. Quando o paciente deixava o último quarto de cura, ele recebia uma estrela de seis pontas da cor do leito que ele deveria ocupar. Ele dava esta estrela para o sacerdote encarregado dos clientes do templo e ela era presa em sua testa pelo sacerdote, de maneira que quando ele entrasse na grande câmara de cura, o sacerdote-curador que pertencesse àquela particular mesa de cura, desse as boas vindas ao seu cliente.

Assim que o paciente deitava na mesa de cura, as radiações de sua aura se projetavam como uma emanação ao redor de sua cabeça e seu corpo, iluminando assim todo o canto do quarto onde ele estava deitado, e abrindo para si mesmo o poder de absorver os éteres do solo e os éteres de luz que o rodeavam. Se, entretanto, o cliente não fosse capaz de irradiar esses éteres, então os curadores ficavam ao redor daquele leito particular, imóveis e em meditação, até que todos os outros onze clientes tivessem sido tratados pelos seus curadores e o cliente então tinha que retornar à preparação no plano mental, para aprender um período posterior de relaxamento. Isto ocorria raramente porque normalmente todos os pacientes eram preparados e estavam completamente relaxados quando eles chegavam à grande câmara de cura.

Havia quarto curadores para cada leito; o Sacerdote Iniciado à direita, o segundo sacerdote à esquerda, o terceiro e quarto sacerdotes nos pés. O Sacerdote Iniciado dirigia a cura e os dois sacerdotes nos pés passavam energia, com as palmas das mãos, através dos pés dos clientes. Cada curador usava uma vestimenta da cor de seu próprio raio e uma capa sobre seus ombros, também da mesma cor. Durante a sessão de cura este manto, pego pelos cantos, seria virado do avesso, unido na barra por um broche com pedras preciosas. Quando a sessão de cura estava completa, permitia-se aos clientes um período de relaxamento de aproximadamente trinta minutos. No final deste período, os curadores deixavam seus clientes e o sacerdote encarregado do templo levava os clientes de volta ao quarto de vestir, onde eles recebiam uma refeição que consistia de mel no favo, milho amassado e leite e eram então enviados para suas casas.

Voltaremos a falar sobre o assunto.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo