• Saviitri Ananda

ORGANIZE SUA VIDA

Para organizar nossa vida, sempre temos que possuir uma energia que, não só nos permita solucionar as "pendências", como também nos permita realizar projetos realmente importantes. Então uma regra básica é: não ocupe tua mente, teu coração ou teu guarda roupa, com algo que não use. Aliás, se quisermos um termômetro simples e fácil de ler sobre o que guardamos (inutilmente), basta olharmos como anda o nosso guarda-roupa... Será que não existem peças que estão lá há muito tempo estagnadas? Usamos todos os nossos calçados? E aquele velho jeans?.

A Gestalt nos fala sobre todos esses problemas que surgem quando iniciamos os processos e acabamos por não concluí-los. Afinal, todas as histórias têm começo, meio e fim e sem o famoso "The End", elas tendem a permanecer no pensamento ocupando espaço e desperdiçando a energia gasta em sua inútil manutenção. O que não percebemos, é que estas "histórias", sejam de que natureza for: material, emocional, intelectual, espiritual, por não terem uma conclusão, continuam como questões a espera de solução, ocupando nossos espaços e desperdiçando nossa energia.


Não somos muito ligados em estarmos perceptivos àquilo que não concluímos e temos a tendência comum e auto destrutiva de sempre começar novos projetos. Começamos empolgados, depois de algum tempo enjoamos e deixamos o projeto de lado, sem ao menos dar um término digno e uma finalidade para ele, como fazemos com tantas roupas que estão penduradas no guarda-roupa. Não que todo projeto deva ser terminado da maneira que foi proposto, porque nenhum de nós deve se obrigar a fazer nada que não queira, todavia devemos ter certeza que realmente é essa nossa vontade.

Nossa vontade gera um querer... uma intenção. Não é como o desejo que é visceral, passageiro e que se não saciado pode ser esquecido. A nossa vontade é toda a meta estabelecida, o projeto articulado, alguma coisa que tem um "porquê" para ser realizada, um como para ser alcançada e métodos para agir de maneira sadia e efetiva sobre o nosso futuro. Podemos estabelecer um projeto maravilhoso a priori, mas sempre existiram pontos para serem revistos, arestas a se rever, afinal somos humanos e todo o ser humano tem o direito de mudar de ideia ou falhar.



Quando somos atingidos por alguma adversidade extrema, jamais seremos os mesmos; nos tornaremos amargos e prejudicados, ou ressurgiremos mais fortes e melhores. Se formos bem...não há questões pra se resolver, mas...se falharmos a solução é dar um destino ao projeto naufragado, porque não há nada é pior que a dúvida ou a não solução. As crises podem nos transformar em vítimas ou em valentes sobreviventes; cabe a nossa decisão: se engavetarmos alguma questão por estarmos em dúvida ou sem solução, a "porta" ficará aberta e por ela escoaram o restante de energia que ainda tínhamos lá. No passado as pessoas precisavam conseguir por si próprias a força para sobreviver, hoje já temos auxílio para buscar qualquer solução, mesmo que ela seja dolorida.

Existem pessoas no astral que zelam por nós e mesmo aqui em Gaya, temos nossos xamãs e terapeutas que facilitam esta caminhada, vestindo-nos de coragem, e mostrando a nossa competência para resolvermos a questão, fecharmos a porta e não desperdiçarmos energia. E como terapeuta, posso dizer que a questão mais importante é o Prazer. O prazer de estar, de ser, de fazer é muito importante; é ele que nos atrai em todas as questões, projetos, processos... tudo vai sendo deletado à medida que aparecem coisas mais interessantes, mais prazerosas.


Para que possamos desistir em algum processo, precisamos antes analisá-lo passo a passo, investigar o que nos levou ao ponto onde estamos e porque nos decepcionamos a esta altura. Por que, tão de repente, aquele vestido tão valioso que estava guardado entre saches e papéis de seda não parece tão lindo? Quando perdemos interesse por algo, temos a grande oportunidade de conhecermos mais sobre nós mesmos, como sentimos e reagimos diante dos fatos e dos desafios da vida. Sempre que analisamos um processo temos duas atitudes básicas a tomar: reconhecermos a nossa incapacidade de lidar com a questão, pela lista de dificuldades que ela nos apresenta, tendo consciência de nossa inferioridade para vencê-la e a capacidade de entender que a persistência nos levará ao caos. Então, devemos sair antes que nossas forças se esgotem por completo e assumir que cometemos um erro de estratégia, baseados na noção de superioridade que tínhamos de nós mesmos (ego).


A segunda alternativa poderia ser de nos afastarmos para analisar as falhas e recuperar a energia despendida... o descanso para depois voltar à luta. Tanto um quanto o outro pode gerar alguma frustração, mas se formos bons observadores e estivermos determinados a nos conscientizarmos das falhas, teremos realizado um bom aprendizado e tal fato nos auxiliará todas às vezes posteriores. Qualquer projeto requer energia, requer que seja feito um trabalho com esta energia, requer atenção de aprendiz. Quando o projeto é material, profissional, científico, até é mais fácil... mas quando o projeto envolve o âmbito emocional, a coisa se complica. Então... esteja em alerta. Se for difícil começar por ti mesmo, começa pelo teu guarda roupa; vai dependurando tudo o que não usa há mais de três meses e mandando para alguém que precisa daquela energia.




Olhando seus cabides vazios, pense no que você já tinha começado e não terminou: o que pode ser pendurado agora? E as gavetas (mais escondidas), como estão... cheias?????? Vamos lá abra... tantas ideias para ativar a tua energia. Veja se consegue canalizar a tua energia para as coisas que te deem prazer, pois assim haverá retorno e a vida feliz está centrada em trocas.


Arrume seu guarda roupa, organize a sua vida!

Retire seus sonhos da gaveta!


Bjos no Coração

Abraço na Alma

Namastê!

Saviitri Ananda - CRTH0230

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo