• Saviitri Ananda

TARA: o BUDA FEMININO


Tara, "a que caiu do céu" ou estrela é uma deidade feminina do budismo que representa sabedoria e cura. É considerada a Mãe da Compaixão, o aspecto feminino de Buda, indissociável do estado desperto e iluminado. Podemos dizer que ela se assemelha a nossa Nsa. Sra. lá no Tibete. Tara é conhecida na filosofia budista como a Grande Deusa Bondosa, a Salvadora, “senhora dos barcos”, salva os "náufragos do mundo", leva-os do oceano do samsara para a outra margem que é o nirvana. Sua essência é o ar, o vento, o sopro de vida que nos inspira a viver, a nos movimentarmos e a agir de acordo com a verdade. É considerada veloz, por sua atitude rápida a ajudar, sem impedimentos por sua grande sabedoria e compaixão. A crença da Tara, salvadora, a libertadora, apareceu no século II e este culto se estendeu sobre praticamente todo o território afro-egeu-asiático e teve seus devotos por toda população pré-ariana da Índia.

O mito surgiu no Tibete com a princesa Yeshe Dawa (Lua da Sabedoria), que recebeu ensinamentos de um Buda, acumulou méritos e sabedoria, tendo sido aconselhada a rezar por um renascimento masculino, pois, como homem, alcançaria a iluminação espiritual. Reconhecendo nisso a ignorância de que a dualidade é relativa, fez o compromisso de sempre renascer em forma feminina. Por isso, Tara é considerada uma manifestação feminina de Buda, aquela que enxerga os "clamores do mundo" ou "Senhora dos Mil Olhos". O termo Tara é derivado da raiz “tri”, “atravessar”, como “Senhora do Barco”, ela conduz a alma que atravessa a corrente do samsara rumo à distante margem do nirvana. Tara tem o poder eterno de salvar as criaturas atravessando-os com total segurança pelo horrível “oceano da existência fenomênica, pois o mar inteiro é o brincar cintilante e ondulante de sua shakti”.


Tara se tornou muito popular como Vajrayana, divindade do Tantra e com o movimento do budismo indiano para o Tibete, a adoração e as práticas de Tara também foram incorporadas ao budismo tibetano, onde acabou sendo considerada a "Mãe de todos os Budas", o que geralmente se refere à sabedoria iluminada dos Budas, ao mesmo tempo em que ecoa o antigo conceito de Deusa Mãe na Índia. Mas sua popularidade é maior no Tibete, norte da India, Nepal, Butão e é adorada na maioria das comunidades budistas em todo o mundo. Tara é a Grande Deusa Bondosa que acalma a correnteza, com o apoio de suas inúmeras barqueiras trabalhando para salvar náufragos. É o arquétipo da Sabedoria interna que reside em todos os seres sencientes. Ela protege e guia até mais profundo inconsciente, ajudando a libertá-lo para a consciência.


Hoje, a Tara Branca e a Tara Verde são provavelmente as representações mais populares de Tara. Tara Verde (Khadiravani) está geralmente associado à proteção contra o medo e os oito obscurecimentos: leões ( orgulho), elefantes selvagens ( ilusão / ignorância), incêndios ( ódio e raiva), cobras ( ciúme), bandidos e ladrões (opiniões erradas , incluindo pontos de vista fanáticos), escravidão (avareza e avareza), inundações (desejo e apego) e espíritos malignos e demônios (dúvidas iludidas). Tara Verde é representada sentada sobre uma flor de lótus emergindo de um lago, porém quase todos os budas são apresentados sobre o lótus, sentados ou de pé. Veste roupas de realeza, com diversas cores e uma blusa ornamentada com joias, mas que não cobrem seus seios. Na cabeça há uma tiara com joias e um rubi ao centro simbolizando seu pai espiritual da família búdica do lótus. Cada mão mostra um mudra e possui o talo de uma flor de lótus com uma flor aberta e dois botões, indicando o alcance de sua atividade em todos os tempos. A perna esquerda está encolhida, indicando sua renúncia as paixões mundanas, mas a perna direita se estende e sai da flor, indicando sua presteza para acudir e ajudar todos os seres. O contraste marcante da cintura delgada contra seios pesados e quadris é o ideal da beleza feminina. A deusa, digna e graciosa nessa manifestação, representa a castidade ea virtude ea personificação do amor, compaixão e misericórdia. Seu mudra da mão direita é o de “dar-oferecer”, indicando sua habilidade para oferecer a todos os seres o que necessitam, enquanto a mão esquerda, na altura de seu coração, faz o mudra de “oferecer refúgio”.





As Taras mais amplamente conhecidas são:

  • Tara Verde, conhecida pela atividade de compaixão, a consorte do Buda Dhyani Amogasiddhi, e se encarna em todas as mulheres boas.

  • Tara Branca, também conhecida por compaixão, longa vida, cura e serenidade, também conhecido como The Wish-cumprimento da roda, ou Cintachakra. Como Tara Branca, levantou-se de uma floração de lótus no lago que se formou a partir da primeira lágrima de compaixão da grande bodhisattva Avalokiteswara (cuja encarnação humana é o Dalai Lama), e é considerado o seu consorte.

  • Tara Vermelha, de aspecto feroz associada a magnetização todas as coisas boas

  • Preto Tara, associado com o poder

  • Tara Amarela, associada à riqueza e prosperidade.

  • Tara azul, associada com a transmutação de raiva

  • Cittamani Tara, uma forma de Tara amplamente praticada na Escola Gelug do budismo tibetano, retratado como verde e muitas vezes confundida com Tara Verde

A deusa Tara é conhecida na China como Kuan Yin e no Japão como Kwannon. Diz a lenda que das lágrimas de compaixão do Bodhisattva Avalokiteshvara formou-se um lago ; desse lago saiu uma linda flor de lótus onde aparecia sentada a bela Tara. Seu mantra é: OM TARE TUTARE TURE SOHA. OM - São as qualidades do corpo, palavra e mente dos Buddhas. É a meta. TARE - Significa “aquela que liberta”. TUTTARE – “Que elimina todos os medos”. Os oitos medos causados pelas oito ilusões: l. Apego (enchente). 2. Ira (fogo). 3. Ignorância (elefante). 4. Inveja (serpente). 5. Orgulho (leão). 6. Avareza (correntes da prisão). 7. Visões erradas (ladrões). 8. Dúvida (fantasmas). TURE – “Que concede todo sucesso”. SOHA – “Que as bênçãos de Tara contidas no mantra se concretizem”.


Prece diária: "A natureza fundamental de minha mente é pura. Dentro de mim existe uma fonte inexaurível de amor, sabedoria e poder. O propósito de minha prática espiritual é revelar e fazer contato com esta fonte. Quando a minha ignorância é removida, surgem a compaixão, sabedoria e poder ilimitados. É o meu condicionamento mental que limita a compreensão de quem eu sou e daquilo que posso me tornar. Vou limpar a minha mente de falhas e desenvolver qualidades benéficas. Assim, removo os obstáculos do meu caminho e crio condições benéficas. Reconhecendo a interconexão de tudo, Eu me esforçarei para ser o meu melhor e manifestar o meu potencial de iluminação. Sempre dedicando ao benefício de todos os seres." Eu pensarei, falarei e agirei como Tara. SOHA



Prece das vinte e uma formas de Tara: 1. Rápida Senhora da Glória: Vermelha, pacífica e charmosa, para pacificar as aflições devido a obstáculos; para exercer influência positiva sobre aqueles que estão errados. 2. Senhora da Suprema Paz: Brilhantemente branca, expressão pacífica para pacificar doenças, maledicências ou influências demoníacas e problemas. 3. Senhora da Cor Amarela Dourada: Amarela, expressão charmosa para aumentar a longevidade e riqueza. 4. Senhora da Vitória Completa, Corporificação de Todas as Qualidades Positivas: Amarela, charmosa expressão para realizar longevidade. 5. Aquela que Proclama o Som de Hung: Laranja, gargalhando com apaixonada expressão para dominar e influenciar as pessoas. 6. Aquela que é Completamente Vitoriosa Sobre os Três Mundos: Vermelho-escuro, levemente irada para domar espíritos (Bhuta). 7. A que Conquista os Outros: Negra, expressão irada para desviar os mantras nocivos dos outros. 8. A que Conquista Maras e Inimigos: Vermelho-escuro, expressão irada e aborrecida para eliminar os danos causados por inimigos. 9. A que Protege Contra Todos os Medos: Branca, pacifica e expressão risonha para guarda contra todos os medos. 10. A que põe os Maras e o Mundo sob seu Poder: Vermelha, charmosa e expressão gargalhante, domina todos os Maras e forças obstrutivas. 11. A que Erradica a Pobreza: Laranja, expressão charmosa para erradicar todas as formas de pobreza. 12. A que Garante Tudo o que é Auspicioso: Amarela, expressão charmosa para assegurar as condições auspiciosas. 13. Tara, A que destrói as forças hostis. Vermelha como uma labareda, com as sobrancelhas e aspecto irado, Ela derrota os demônios do impedimento e obstáculos e carrega um vaso vermelho que protege dos obstáculos. 14. A que é Tremendamente Irada: Negra, irada com expressão carrancuda e irritada para suprimir problemas. 15. A Supremamente Pacifica: Branca, expressando excelente paz, para pacificar o efeito das nossas próprias ações maléficas. 16. Tara que nasce do Hung da Consciência intrínseca: Vermelha, expressão charmosa para aumentar o conhecimento transcendental e sabedoria. 17. A que faz Tremer os Três Reinos: Laranja, expressão charmosa, para pacificar maras e forças obstrutivas. 18. A que Neutraliza Veneno: Branca, para pacificar as venenosas influências de espíritos-nagas. 19. A que Alivia Todo Sofrimento: Branca, pacífica, sorrindo, para dissipar disputas e conflitos, e sonhos maus. 20. A que Remove a Peste: Laranja, pacifica, para guardar contra as epidemias e dissipá-las. 21. A Completamente Perfeita de Todas as Atividades Iluminadas: Branca, pacífica, charmosa para completar e aperfeiçoar todas as atividades. As vibrações do nome de Tara pode ser encontrada em outras culturas. Mitologia polinésia: Tara é uma deusa do mar lindo América: Terra, a Mãe Terra Druids: chamou sua mãe deusa Tara. Finlândia: Uma antiga lenda fala de Tar, as mulheres de Sabedoria. América do Sul: tribo indígena na chamada selva à sua deusa, Tarahumara. Nativo americano: as pessoas Cheyenne dizer de uma mulher estrela que caiu do céu para a Terra. Fora de seu corpo todos os alimentos essenciais cresceu. Ela enviou seu povo para acasalar com os habitantes mais primitivos da Terra, dando-lhes a capacidade de sabedoria. Tibet: Tara é conhecida como o fiel, a protetora Fierce, um arquétipo da sabedoria interior. Eles falam de uma transformação da consciência, um caminho para a liberdade. Eles ensinam muitos meios simples e diretas para cada pessoa a descobrir dentro de si a sabedoria, compaixão e glória que é Tara. Ela é a contraparte feminina do bodhisattva – Buddha-a-ser – Avalokitesvara.Segundo a crença popular, ela veio a existir a partir de uma lágrima de Avalokitesvara, que caiu no chão e formaram um lago. Fora de suas águas se levantou uma flor de lótus, que, na abertura, revelou a deusa. Como Avalokitesvara, ela é uma divindade de compaixão que ajuda a ‘cruz para a outra margem’ almas. Ela é a protetora de navegação e de viagem terrestre, bem como de viagens espirituais ao longo do caminho para a Iluminação.



Assim o mantra de Tara OM TARE TUTTARE TURE SOHA, significa: OM: as qualidades do corpo, palavra e mente dos Buddhas. É a meta; TARE – “aquela que liberta” – de apegos e sofrimentos temporais- TUTTARE – “Que elimina todos os medos” (oitos medos causados pelas oito ilusões: l. Apego (enchente). 2 – Ira (fogo). 3 – Ignorância (elefante). 4 – Inveja (serpente). 5 – Orgulho (leão). 6 – Avareza (correntes da prisão). 7 – Visões erradas (ladrões). 8 – Dúvida (fantasmas)); TURE – “Que concede todo sucesso” e liberta dos obscurecimentos sutis, apegos e individualidades; SOHA – “Que essas bênçãos se concretizem”, que cheguem ao coração e a mente.

FONTE:

Mt. Shasta, Peter; Eu sou a Tara Violeta, Deusa do Perdão e da Liberdade.

Beyer, Stephan; O Culto da Magia e Ritual de Tara.

Shaw, Miranda; Deusas budistas da Índia.


0 comentário

Posts recentes

Ver tudo